Central de atendimendo: 62 3996-0505 Ligamos pra você

Síndrome de Guillain-Barré, o que é?

7 de março de 2016

A Síndrome de Guillain-Barré é uma doença neurológica grave caracterizada pela inflamação dos nervos e fraqueza muscular que, em alguns casos, pode ser fatal. Geralmente ela é diagnosticada após algumas semanas de uma infecção viral como dengue ou Zika Vírus, por exemplo.

A Síndrome de Guillain-Barré progride em 2 a 4 semanas e a maioria dos pacientes recebe alta hospitalar após 4 semanas, mas o tempo total de recuperação pode demorar meses ou anos. A maioria dos pacientes se recuperam e voltam a andar após 6 meses a 1 ano de tratamento, mas existem alguns que tem maior dificuldade e que precisam de cerca de 3 anos para se recuperar.

O que causa Síndrome de Guillain-Barré?

As causas da Síndrome de Guillain-Barré estão relacionadas as defesas do próprio organismo, porque neste caso os anticorpos, devido a um erro, atacam o próprio sistema nervoso periférico, destruindo a bainha de mielina que recobre os nervos, gerando os sintomas.

Ao perder a bainha de mielina, estes ficam inflamados, impedindo que o sinal nervoso seja transmitido para os músculos levando a fraqueza muscular e a sensação de formigamento nas pernas e nos braços, por exemplo.

Muitos indivíduos antes de serem diagnosticados com a Síndrome de Guillain-Barré foram vacinados recentemente, fizeram alguma cirurgia ou apresentaram doenças como gastroenterite ou infecções virais, como: Epstein-Barr, citomegalovirus, HIV, Dengue ou Zika vírus.

Sintomas da Síndrome de Guillain-Barré

Os sinais e sintomas da Sintomas da Síndrome de Guillain-Barré podem se desenvolver rapidamente e pioram ao longo do tempo, podendo deixar o indivíduo paralisado em menos de 3 dias. No entanto, nem todos os pacientes são gravemente afetados porque alguns podem somente apresentar fraqueza nos braços e nas pernas.

  • Fraqueza muscular, que geralmente começa nas pernas, mas depois atinge os braços, diafragma e também os músculos da face e da boca, prejudicando a fala e a alimentação;
  • Formigamento e perda de sensibilidade nos braços e nas pernas;
  • Dor nas costas, nos quadris e nas coxas;
  • Palpitações no peito e coração acelerado;
  • Alterações da pressão, podendo haver pressão alta ou baixa;
  • Dificuldade para respirar e para engolir;
  • Dificuldade em controlar a urina e as fezes;
  • Medo, ansiedade, desmaio e vertigem.
  • Quando o diafragma é atingido, o paciente começa a sentir dificuldade para respirar e, neste caso, é importante que o paciente seja ligado a aparelhos para respirar.

Saiba mais sobre o vírus Zika e como se prevenir

Diagnóstico da Síndrome de Guillain-Barré

O diagnóstico da Síndrome de Guillain-Barré pode ser feito com base nos sintomas apresentados pelo paciente e é confirmado através de exames como ressonância magnética da coluna, punção lombar e exame de sangue para avaliar os leucócitos e eletromiografia.

Todos os pacientes diagnosticados com Síndrome de Guillain-Barré devem permanecer internados no hospital para serem devidamente acompanhados e tratados, porque quando esta doença não é tratada, pode levar à morte.

Tratamento da Síndrome de Guillain-Barré

O tratamento da Síndrome de Guillain-Barré não cura definitivamente a doença, mas ajuda a reduzir seus sintomas e aceleram a recuperação. Inicialmente, o tratamento é feito no hospital, mas após a alta é necessário continuar o tratamento fazendo fisioterapia.

Um tratamento usado no hospital é a plasmaferese, um método que consiste numa espécie de hemodiálise em que o sangue é removido do corpo e filtrado de forma a reter os anticorpos que estão a atacar o sistema nervoso. Uma outra alternativa consiste na injeção de altas doses de anticorpos (imunoglobulina) contra os anticorpos que estão atacando os nervos reduzindo a sua inflamação e destruição da bainha de mielina.

Quando estão presentes complicações graves como dificuldade em respirar, problemas de coração ou gastrointestinais, pode ser necessário que o paciente fique internado na UTI para que seja monitorada sua respiração e coração.

 

Fonte: Tua Saúde com informações da assessoria de comunicação da Clínica Vittá Goiânia

 

Blog - Clínica Vittá Goiânia
Deixei seu comentário

(62) 3996-0505